tera; 21 novembro 2017

Movimento InterGrande

REFORMA ESTATUTÁRIA DO SPORT CLUB INTERNACIONAL

  • O Movimento Inter Grande, que esteve no comando do Internacional de 2002 a 2014, período em que o Clube tornou-se Campeão de Tudo, ultrapassou a marca de 100 mil sócios e remodelou completamente seu Estádio, resolve externar ao torcedor colorado a sua posição adotada em relação ao processo de reforma do Estatuto do Clube.
  • Tivemos a honra de contar com a presença de um dos nossos integrantes como Relator da Reforma junto a Comissão de Assuntos Legislativos, Regimentais e Estatutários do Clube, o Conselheiro Alexandre Chaves Barcellos.
  • A partir de março de 2015, através do Conselho Deliberativo, coube à Comissão Permanente de Assuntos Legislativos, Regimentais e Estatutários a elaboração do projeto substitutivo ao atual Estatuto e, neste período, foi editada a Lei 13.155/15, que trata do programa de modernização da gestão e de responsabilidade fiscal do Futebol Brasileiro, ao qual o Internacional aderiu por decisão unânime de seu Conselho Deliberativo.
  • A partir de diversas emendas dos associados e conselheiros (foram apresentadas mais de 156 emendas), que procuraram trazer ao Clube aspectos contemporâneos para uma gestão de qualidade, o trabalho incessante da Comissão teve início. Pelo acolhimento de algumas das emendas apresentadas foi criado novo capítulo estatutário no Substitutivo apresentado que afirma novas ferramentas de gestão, tais como planejamento estratégico, rigidez orçamentária, transparência, ouvidoria e controladorias, dentre outros, além, é claro, da adequação da nossa “Carta Magna” às obrigações legislativas hoje vigentes, protegendo nosso Clube de qualquer sanção legal por descumprimento da Lei Federal denominada
  • Movimento Inter Grande foi pioneiro na adoção do primeiro Conselho inserido dentro de uma gestão no Internacional. Capitaneados pelo Presidente Giovanni Luigi, foi instaurado o Conselho de Gestão, com a participação de todos os Vice-Presidentes nomeados.
  • Outro grande passo dado em direção ao compartilhamento na tomada de decisões foi a criação da Comissão de Obras, presidida por um dos nossos integrantes, o Dr. Luiz Anápio Gomes de Oliveira. Esse modelo, absolutamente vencedor, permitiu ao Clube resolver um dos maiores imbróglios em que já esteve inserido. Ao buscar dentro do nosso Conselho colorados da mais alta capacidade, independentemente de seus matizes ideológicos ou políticos, o Presidente Giovanni, à época, trouxe para auxiliá-lo nesse mister colorados da mais alta relevância, experientes e habituados a embates como aquele. O resultado de tudo isso é do conhecimento de todos, uma obra prima, o novo Beira-Rio.
  • Pautados por esse exemplo, o MIG entende que é o momento do Internacionalcaminhar no sentido da Governança Corporativa, trazendo para seu Estatuto “Ferramentas de Gestão” eficazes no controle orçamentário, pluralizar o seu Conselho Fiscal, fixar limites no orçamento com despesas no futebol, de modo a atender os ditames dos novos ordenamentos legislativos vigentes.
  • O modelo do substitutivo apresenta princípios da gestão contemporânea fundado em governança corporativa, compliance e deve estar arraigado a um amplo e efetivo planejamento estratégico.
  • O Conselho de Gestão servirá como um órgão que irá auxiliar ao Presidente nas tomadas de decisões. Isso, para quem já esteve na Gestão, se sabe que é positivo. A oitiva de pessoas qualificadas, que pensem o futuro do Clube, sempre será bem-vinda, respeitado o primado maior de nosso Movimento: a inclusão e pacificação do Internacional. Ganhamos nossos maiores títulos quando estivemos unidos.