terça; 21 novembro 2017

Movimento InterGrande

Entrevista com Fernando Carvalho


Como surgiu o Movimento Inter Grande, do qual o senhor é fundador e Presidente de Honra?

FC: O Inter Grande surgiu em momento politico muito conturbado na história do Clube, no final da década de 90, quando o próprio cenário futebolístico brasileiro era uma incerteza. A transformação legislativa, as grandes e frustradas parcerias, que redundaram em grandes fracassos – algumas até virando casos de policia. Internamente, uma oposição duríssima e maniqueísta e uma situação que, de longa data, mantinha métodos de gestão antigos e já superados.

Quando do nosso surgimento como oposição, em 1998, desde logo pontuamos nossa atuação de forma propositiva, sem desprezar as coisas boas da gestão em andamento, a despeito dos métodos antigos de sua prática. O ponto forte da nossa estratégia, lá como aqui nos dias atuais, sempre foi o binômio “pacificação e inclusão”. Na nossa visão, antes e agora, o Sport Club Internacional só cresceria e só continuará crescendo se estiver unido e pacificado. Felizmente as coisas deram certo e, com o Movimento Inter Grande no poder, houve um crescimento sem igual na historia do nosso Clube.


Depois de várias eleições, o Inter Grande está preparado para liderar o conjunto de movimentos que apoiam a Gestão Giovanni Luigi?

FC: Com certeza! Depois de todo esse período na gestão do Sport Club Internacional, capitaneando vários movimentos que participam da direção do Clube desde 2002, temos todas as condições de continuar esse trabalho que nos colocou na situação atual, de clube que mais cresceu na América do Sul nesse Século. Que fique claro, todavia, que sem a manutenção dos grupos de apoio que formam a gestão no atual grupo situacionista, tais como Coração Colorado, Inter Maior e Colorado eu Sou, nosso movimento não terá a mesma força e o mesmo poder de mobilização dos sócios colorados.

Além disso, sou favorável, e batalharei enquanto houver prazo para tanto, que os movimentos União Colorada e Ação Independente Colorada, retornem ao convívio da chapa situacionista, pois foram de fundamental importância para as boas ações da minha administração e da gestão do Presidente Vitorio Piffero. Lembro aqui, novamente, o binômio “pacificação e inclusão”.


O Presidente Giovanni Luigi, pela gestão que realiza, está legitimado para pleitear a reeleição?

FC: Nosso Presidente Giovanni Luigi, com certeza, está plenamente legitimado a concorrer à reeleição, pois mesmo enfrentando vários desafios, um após o outro, com mais ou menos demora que a situação recomendava, resolveu-os todos pensando sempre no estrito interesse do Clube, sem preocupação em preservar sua própria imagem.

Primeiro as obras, depois o caso D’Alessandro, Oscar, mais adiante a interdição do Estádio. Antes disso, no seu primeiro ano, as sucessivas crises no Departamento de Futebol, a demissão de ídolo como treinador, o Presidente Luigi, enfrentou com discernimento e coragem todas essas situações e, ao final, só cresceu como gestor e como homem, perante a opinião púbica colorada.

Além disso, na mais importante área do Clube, que é o futebol, conquistou dois títulos gaúchos e manteve nosso Clube em uma situação de postulante permanente em todas as competições em que atua. Está, portanto, plenamente legitimado à reeleição.


Nesta hipótese – de candidatura à reeleição do atual Presidente – como o senhor avalia as possibilidades de aprovação daquilo que ficou conhecido como “jeito Giovanni Luigi de presidir o Clube”?

FC: Como referido na resposta ao item anterior, o Presidente Luigi, saiu-se bem em quase todas as decisões polêmicas em que foi preciso sua decisão. No tempo certo, na hora certa, muitas vezes desagradando a muitos, mas sempre respeitado por todos – pois com clareza pensou nos interesses do Sport Club Internacional. Giovanni Luigi é afável, sem deixar de ser duro quando necessário. Contemporiza enquanto é possível, mas age com rigor quando coloca o Internacional acima de tudo. Além disso, sempre foi transparente, ético e muito honesto nas ações administrativas e pessoais. Como disse, em minha opinião, está legitimado à reeleição.