sbado; 20 janeiro 2018

Movimento InterGrande

Marcelo Medeiros é o nosso candidato a Presidente do Inter

Na noite desta terça-feira (4), o Conselheiro Marcelo Medeiros foi aclamado pelos integrantes do Movimento Inter Grande como candidato a Presidente do Internacional. O encontro atendeu aos prazos estabelecidos pelo clube para a indicação de um nome. Na sexta-feira, ao meio-dia, na Federação Gaúcha de Futebol, um evento será realizado para a apresentação da chapa completa que integrará a candidatura de Marcelo.

Marcelo Medeiros, 56 anos, é conselheiro do Internacional há 28 anos e tem um amplo leque de serviços prestados ao clube. Ele foi diretor das categorias de base, integrante do departamento jurídico, vice-presidente de futebol e vice-presidente eleito. Ainda é oriundo de uma família de Colorados. O avô, Afonso Paulo Feijó foi Presidente do clube em 1945, ano da conquista do primeiro Hexacampeonato Gaúcho. Seu tio, Marcelo Feijó, comandava o Inter em 1979, ano do até hoje inédito título de campeão brasileiro invicto. Gilberto Medeiros, pai de Marcelo, presidiu o Inter em 1987, quando o Inter foi vice-campeão brasileiro.

O Movimento Inter Grande, além do mais antigo movimento político em atividade no clube, é o mais vitorioso. Sob a administração do MIG, entre 2002 e 2014, o Inter chegou às suas maiores conquistas recentes: campeão do mundo, bicampeão da Libertadores, bicampeão da Recopa, campeão da Copa Sul-Americana, da Copa Dubai, da Copa Suruga e 10 vezes campeão gaúcho.

Confira alguns trechos do discurso de Marcelo Medeiros:

“O que nós precisamos é de pessoas dedicadas e com capacidade para colaborar com o planejamento do clube com eficiência, respeitando os estatutos do clube e dando continuidade a um processo de profissionalismo. Hoje, o clube tem 55 diretores políticos e um diretor executivo, estamos na contramão da modernidade, temos que resgatar aquilo que vinha sendo feito antes”.

"Me sinto muito à vontade para encarar essa missão. Vejo aqui meus colegas de escritório que me dão tranquilidade econômica para encarar esse desafio, tenho o apoio da minha família. Vejo aqui meus amigos de longa data me apoiando e principalmente o respaldo político representado aqui por todos vocês”.

“Nenhum Colorado imaginava que o Inter pudesse passar pelo momento em que está.  Eu poderia transformar isso em um palanque político, elencando erros em série cometidos pela gestão, mas não é isso que vamos fazer. Esse é um momento de fazer o que fizemos no sábado passado, estando ao lado do clube, ao lado da nossa torcida. Vamos sofrer, mas temos que todos abraçar juntos. Estaremos no Beira-Rio quinta-feira e vamos apoiar o nosso Inter para sair de uma situação que não condiz com a grandeza do clube”.

“A nossa caminhada será uma caminhada da inclusão. Temos que abrir as portas para todos aqueles que queiram colaborar. Não existe pacificação sem inclusão”.

“Temos que resgatar a nossa identidade de Clube do Povo, temos que ter um projeto de inclusão das camadas mais populares da sociedade. Vamos trabalhar com os sócios, trabalhar com planejamento para torcedores de baixa renda”.